quinta-feira, 24 de março de 2016

Fusão entre animal e vegetal?

Lesma do mar incorpora genes de alga e consegue fazer fotossíntese


A lesma-do-mar Elysia chlorotica é um molusco que vive em águas marinhas e consegue realizar fotossíntese devido à ingestão de algas. Esse fenômeno é possível porque essa espécie consegue conservar os cloroplastos (organela onde se encontra a clorofila – responsável pela cor verde) ativos adquiridos a partir da alimentação das algas e inserir os genes delas em seu próprio código genético.

Dentre as características deste animal destacam-se a sua coloração verde-esmeralda, com algumas manchas avermelhadas ou esbranquiçadas. Apresentam formato similar aos outros seres da sua espécie e possuem um tipo de asa lateral, chamada de parapódios.

Para consumir a alga Vaucheria litorea, o molusco tem o auxílio de sua rádula (estrutura em formato de serra que raspa os alimentos) para conseguir furá-la e absorver os seus nutrientes. Após a ingestão, apenas os cloroplastos são mantidos nos vacúolos, que continuam ativos e capazes de realizar fotossíntese, fornecendo carboidratos e lipídios para a nutrição do molusco. Esse processo é possível devido a existência de um gene da alga presente no DNA da lesma que consegue fazer reparos nos cloroplastos e mantê-los ativos.

Esse gene é passado para as próximas gerações das lesmas-do-mar, que terão apenas que continuar se alimentando das algas para a realização deste processo.

A interação entre essas duas espécies mostra uma transferência de genes que ocorre em raros casos. Em humanos, uma meta mais específica seria a da terapia genética, que tem como objetivo eliminar possíveis erros presentes no DNA para evitar o desenvolvimento de doenças.

fonte:www.diariodebiologia.com
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Por que os cachorros cheiram o rabo uns dos outros?


Quem gosta de cães sabe que essa espécie parece ter uma fissura por rabos. Basta acontecer um encontro para que os cachorros comecem a cheirar o bumbum um do outro. E existe uma explicação científica para esse ato canino tão comum.

De acordo com um vídeo da American Chemical Society, os cães farejam as informações do outro cachorro pelo rabo. É por lá que eles descobrem o sexo, o estado emocional, a dieta, a raça, o humor, entre outros detalhes.

Isso é possível por causa do saco anal dos cães. Essa região fica logo abaixo do rabo e abriga glândulas que liberam substâncias que dizem muito a respeito do cachorro.

Um cachorro tem um olfato de 10 mil a 100 mil vezes mais apurado do que o dos seres humanos. Isso permite que eles cheirem essas secreções mesmo sem ter fezes a caminho.

Além disso, os cães têm um segundo sistema olfativo, o órgão de Jacobson. Ele é projetado especificamente para a comunicação química e envia a informação para o cérebro, sem que haja interferência de outros odores, como o do cocô.

fonte: exame.abril.com.br
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

PF marca data de depoimento de ex-amante de FHC

Miriam Dutra vai depor em 7 de abril, em São Paulo. Jornalista acusa o ex-presidente de ter pagado despesas dela e do filho através de contrato fictício com o Grupo Brasif

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso(Paula Sholl/Agência PSDB/VEJA)

A Polícia Federal marcou para o dia 7 de abril, em São Paulo, o depoimento da jornalista Mirian Dutra, que teve um relacionamento extraconjugal com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) nos anos 1990 e o acusa de ter pagado parte das despesas dela e do filho, Tomás, no exterior, por meio de uma empresa que era concessionária do governo.

No dia 26 de fevereiro, a Polícia Federal abriu um inquérito para apurar as declarações de Mirian ao jornal Folha de S.Paulo e investigar se houve evasão de divisas. Mirian afirmou que FHC se valeu de um contrato fictício com o Grupo Brasif, do empresário Jonas Barcellos, entre dezembro de 2002 a dezembro de 2006, para enviar a ela 3.000 dólares mensais no exterior. FHC admitiu manter contas no exterior, mas negou ter usado a empresa para enviar dinheiro à ex-amante.

A Brasif nega que tenha feito a contratação a pedido de FHC. Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo publicada no último sábado, o ex-presidente afirmou que nunca remeteu divisa por meio da empresa. "Eu acho bom (que se investigue), para acabar com as suspeitas que foram lançadas por uma única pessoa, sem nenhum documento, nem nada".

FHC e Mirian tiveram um romance por seis anos quando ele era senador, e ela, repórter da TV Globo. Mirian teve um filho em 1991, Tomás Dutra Schmidt, que o ex-presidente chegou a assumir como seu, em 2009. Mais tarde, dois testes de paternidade apontaram que FHC não é o pai biológico de Tomás. O tucano manteve mesmo assim os laços com o jovem.

(Com Estadão Conteúdo)
fonte:veja.abril.com.br
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Brasileiros e a crise: orelhas de Teori e Moro vão arder

Monitoramento em redes sociais que aponta tendências de comportamento dos usuários mostra interesse crescente pela atuação do Judiciário — o que pode provocar enxurrada de fatos e fofocas sobre a vida privada dos magistrados

(VEJA.com/VEJA)

O avanço da Operação Lava Jato, o impasse sobre a nomeação de Lula para ministro-chefe da Casa Civil e a enxurrada de recursos do governo para travar o processo de impeachment dão à Justiça brasileira papel central na crise política. O Poder da toga, seus atos e personagens vêm atraindo a atenção dos brasileiros e assim devem seguir ao menos pelos próximos dez dias. A informação consta de relatório de tendências de comportamento elaborado pela Hekima, empresa de análise de big data. Confira os principais achados no quadro abaixo.

Para elaborar o relatório, a Hekima analisou pouco mais de 30.000 mensagens publicadas no Facebook e no Twitter na última segunda-feira. O monitoramento buscou, combinados ou não, termos como "impeachment", "Dilma", "Lula", "Moro", "Lava jato", "mídia", "Aécio Neves", "Eduardo Cunha" e "Renan Calheiros" e suas variações.

Os analistas, então, perceberam entre as mensagens a formação de cinco grandes grupos temáticos, relativos às cinco tendências apontadas no relatório. Para entender o que seria uma propensão para os próximos dias, o time levou em consideração indicadores como recorrência de conteúdos publicados e também sua dispersão por estratos de usuários (por idade, gênero etc.) e regiões do Brasil.

O interesse pelo Judiciário formou, com folga, o grupo temático com mais referências, reunindo cerca de 56% das mensagens. "O Judiciário se torna, em meio ao caos político instalado, o protagonista político por excelência", diz trecho do relatório. "Projeta-se para os próximos dias maior número de comentários e manifestações em torno do Poder Judiciário, incluindo divulgações (verídicas ou não) sobre a vida pessoal de juízes, advogados e também de policiais, que estejam protagonizando atos no âmbito da Operação Lava Jato."

Uma tendência percebida no mundo on-line pode se concretizar no universo off-line? Sim, diz Anice Pennini, gerente de pesquisa e comunicação da Hekima. "Vivemos um momento em que as ruas afetam as redes, que afetam os veículos de imprensa, que também estão na internet. Os atores se influenciam mutuamente: as fronteiras estão borradas. As redes são reflexo e farol das ruas", diz. "Trabalhamos com a perspectiva, defendida por inúmeros teóricos e analistas, de que as redes virtuais são uma instância de debate e interação tão importante quanto o mundo fora delas."

A tarefa de apontar tendências imediatas de comportamento a partir das redes já havia sido levada a cabo em outras situações de grande engajamento, como as Copas das Confederações, em 2013, e do Mundo, de 2014, e no primeiro panelaço da "era Dilma", o da 8 de março de 2015. "No panelaço, já víamos com antecedência que o protesto ocorreria e que seria grande. Foi possível captar o compartilhamento de mensagens antes do pronunciamento da presidente na TV", diz Anice. Idem para a Copa. "Nossa previsão foi muito assertiva. Conseguimos prever com antecedência que, em determinado dia e estádio, haveria manifestação perto do evento."

(VEJA.com/VEJA)

fonte:veja.abril.com.br
Por: Jadyr Pavão Júnior
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

OAB protocola pedido de impeachment de Dilma na segunda-feira

Entidade quer evitar Eduardo Cunha

A OAB vai protocolar na próxima segunda-feira (28) seu pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.

O documento será assinado pelo presidente da entidade, Claudio Lamachia, e, para evitar Eduardo Cunha, será entregue no protocolo da Câmara.

A peça será praticamente o voto vencedor que decidiu pelo impeachment no Conselho Federal da Ordem e trará como motivos para o impedimento, além das pedaladas, a renúncia fiscal concedida à FIFA e a nomeação de Lula à Casa Civil.

fonte:veja.abril.com.br
Por: Severino Motta
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Rio torna Brasil alvo de ataques

Especialistas afirmam que a atenção da mídia e a presença de delegações estrangeiras podem funcionar como chamariz para grupos extremistas

AFP /JIM WATSON - Segurança reforçada na Bélgica após ataques da última terça-feira, n%u018Dos quais morreram 31 pessoas e outras 200 ficaram feridas. Autoridades identificaram suspeitos de crime

Para terroristas, o Brasil não é alvo potencial. Grupos extremistas costumam mirar em países com políticas intervencionistas no Oriente Médio, como Estados Unidos, Reino Unido, França e Bélgica, onde atentados deixaram mais de 30 mortos e centenas de feridos na última terça-feira.

No entanto, durante as Olimpíadas do Rio 2016, de 5 a 21 de agosto, delegações de países-alvo do Daesh (conhecido como Estado Islâmico) estarão por aqui.

Em conjunto com a atenção da mídia internacional, a presença de atletas e chefes de Estado cria ambiente favorável a atentados no Brasil, segundo especialistas entrevistados pelo O POVO.

Até o momento, o Governo Federal e do Rio de Janeiro têm somado esforços para prevenir manifestações de violência urbana, como roubos ou latrocínio, nas Olimpíadas. A preocupação esteve focada nos perigos locais. Agora, parte dela se volta para os que vêm de fora.

De acordo com o internacionalista da PUC-Rio, Márcio Scalércio, o temor em relação a possíveis ataques tem fundamento. “Delegações que estão no topo da lista dos grupos extremistas vão estar no Rio. Ninguém tem condições de impedir atentados, na verdade. Eles atacam sempre procurando fazer o inesperado. Mas é preciso tentar impedir de qualquer forma”, afirma.

O pesquisador diz ainda que é improvável que haja células terroristas atualmente instaladas no País, mas é possível que paramilitares se infiltrem na multidão de visitantes que cruzará as fronteiras para ver os Jogos. “Já há comissão se preparando para isso aqui no Rio”, informa.

Professor de Relações Internacionais do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, Sidney Ferreira Leite explica que é preciso desenvolver boa comunicação e investir em inteligência para tentar barrar ataques.

“O terrorismo contemporâneo é bem diferente daquele anterior ao Al-Qaeda, que atuava regionalmente, em áreas restritas. O mundo interdependente tem o lado bom e o ruim”, diz.

Ferreira Leite explica ainda que, embora a América Latina não seja alvo, “fazer um estardalhaço” é parte da estratégia do terror. Segundo o especialista, eles buscam visibilidade. “Sem dúvida, os Jogos são um prato cheio”, avalia o pesquisador.

Treinamento anti-terror
Na semana passada, policiais militares, civis e bombeiros brasileiros participaram do curso de Primeira Resposta a Incidentes Terroristas. Ao todo, 70 profissionais da segurança se prepararam para lidar com ameaças terroristas nas Olimpíadas do Rio. O curso é promovido pela Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos (Sesge), em parceria com a Polícia Federal e a Embaixada dos Estados Unidos.

O Escritório de Assistência Antiterrorismo (ATA), da Secretaria de Segurança Diplomática do Departamento de Estado Americano, ajudou a coordenar o projeto. A partir de estudos de casos, o programa contou com nove módulos, aulas teóricas e exercícios práticos.

No treinamento, o 11 de setembro de 2001, o massacre de Columbine (1999) e o ataque de gás Sarin no metrô de Tóquio, em 1995, foram usados como exemplos.

Saiba mais

Suspeitos em Bruxelas
Autoridades belgas afirmam que três suspeitos dos ataques suicidas da última terça, 22, em Bruxelas, foram identificados como Najim Laachraoui,Khalid e Ibrahim el-Bakraoui. Um quarto homem continua foragido - a bomba que ele carregava não foi detonada. Eles teriam cidadania belga e um deles havia sido deportado da Turquia por suspeita de terrorismo.

fonte:opovo.com.br
por Isabel Filgueiras
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Android chega aos carros de Chevrolet, Honda e Volkswagen, mas sem Waze

Aplicativo Android Auto totalmente localizado para o português estará disponível a partir de abril em modelos com centrais de entretenimento compatíveis com a plataforma

Emily Canto Nunes/iG São Paulo - Android Auto chega ao Brasil em abril em parceria com três grandes montadoras

A partir de abril, brasileiros donos ou futuros donos de carros como o Novo Cobalt, da Chevrolet, do Novo Gol, Novo Voyage, Nova Saveiro, Fox, CrossFox, SpaceFox, SpaceCross, Golf, Jetta, Novo Passat, Tiguan e Fusca, da Volkswagen, ou ainda do Accord, da Honda, poderão contar com o Android Auto, app que leva a experiência do sistema operacional do Google para os automóveis.

Anunciado em parceria com as montadoras, o Android Auto é um aplicativo compatível com a versão Lollipop ou acima do Android e que pode ser baixado gratuitamente pela Google Play no smartphone do motorista. Uma vez instalado, é preciso apenas conectar o aparelho via cabo ao automóvel para utilizar seus recursos, entre eles o comando de voz. Além dos modelos citados acima, que possuem centrais de entretenimento compatíveis, a Pioneer também venderá uma central multimídia, a AVIC-F70TV (preço aproximado de R$ 2.800), a qual pode ser instalada em qualquer carro com espaço para tal tipo de equipamento no painel.

O app só funciona conectado via cabo ao carro – nada de Bluetooth – e utiliza a internet do aparelho para encontrar o que o usuário procura. Após a conexão, a tela do painel do carro mostrará as funcionalidades e também os aplicativos instalados no celular que são compatíveis com o Android Auto como, por exemplo, WhatsApp, Spotify e Skype, além dos programas próprios do Google como Maps, Hangouts e o Google Play Música. E, uma vez conectado ao carro, o telefone terá sua tela desligada enquanto o carro estiver em movimento, garantindo assim a segurança do motorista. Para digitar um endereço no Google Maps, só se o carro estiver parado. Além disso, nada de acesso ao YouTube. A legislação brasileira não permite vídeos ou qualquer outro conteúdo animado enquanto carro está em movimento – nem mesmo televisão aberta. Graças a integração com o sistema do automóvel, o app entende que quando o motorista acende os faróis é porque está de noite, logo, a tela fica preta para o brilho não atrapalhar, e não mais branca.

Pioneer venderá modelo de central multimídia compatível com o Android Auto: AVIC-F70TV. Foto: Emily Canto Nunes/iG São Paulo

Na tela inicial, o Android Auto mostra cartões semelhantes ao do Google Now, informações como tempo e compromissos salvos na agenda. Na parte inferior da tela, cinco botões funcionam de atalho para os principais recursos disponíveis no sistema: da direita para a esquerda, a placa que dá acesso ao Google Maps, o símbolo de telefone às ligações, o círculo volta para a tela inicial, os fones de ouvido ao programa de música – Google Play Música ou Spotify – e o último, que parece uma bússola, retorna para a central de entretenimento nativa do carro.

Vale ressaltar que com o Android Auto o usuário tem acesso aos comandos também por voz: é possível procurar um endereço, restaurantes ou postos de gasolina próximos, escolher uma música ou mandar mensagens para algum contato do WhatsApp só falando com a "voz do Google". Caso o motorista receba uma mensagem enquanto estiver dirigindo, a "voz do Google" fará a leitura.

A maioria dos carros compatíveis com o app têm no volante ou próximo dele um botão que ativa o recurso de comando de voz para além da opção na tela, que é sensível ao toque em todos os automóveis. O mais interessante do recurso de voz é que ele pode ser acionando por qualquer pessoa, até mesmo por quem está no banco de trás. Porém, o "OK Google" não funciona, é preciso clicar no símbolo do microfone na tela ou no botão do próprio carro, se houver. Ou seja, você vai precisar da ajuda do motorista ou do copiloto se estiver no banco de trás e desejar escolher a próxima música.

No que diz respeito a compatibilidade com aplicativos, o Android Auto possui uma limitação que o Google avisa que está tentando resolver, mas que pode ser um empecilho: o app ainda não é compatível com o Waze, um dos programas preferidos dos motoristas brasileiros. Segundo o Google, a forma de resolver isso é melhorar a integração: já é possível encontrar no Maps relatos de acidentes, além do tráfego.

De acordo com o Google, outras montadoras que fazem parte da Open Automotive Alliance devem apresentar modelos compatíveis com o Android Auto em breve, entre eles Fiat, Ford, Hyundai, Mitsubishi e Suzuki.

fonte:tecnologia.ig.com.br
Por Emily Canto Nunes - iG São Paulo
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Planilhas ligam Odebrecht a Atleta, Caranguejo, Cacique, Nervosinho, Avião...

Documento trata políticos por apelidos e os relaciona a cifras. PF não sabe se valores foram mesmo pagos, dentro ou fora da lei, mas papéis trazem chance de desvendar meandros do financiamento eleitoral

Sede da Odebrecht em São Paulo(Paulo Whitaker/Reuters)

Atleta (Renan Calheiros, PMDB-AL), Escritor (José Sarney, PMDB-MA), Caranguejo (Eduardo Cunha, PMDB-RJ), Nervosinho (Eduardo Paes, PMDB-RJ), Cacique (Romero Jucá, PMDB-RR), Viagra (Jarbas Vasconcelos Filho, PMDB-PE), Avião (Manuela D'Ávila, PCdoB-RS). É assim, com esses codinomes, que alguns influentes políticos brasileiros são identificados em planilhas da Odebrecht apreendidas pela Polícia Federal em mandados de busca expedidos contra diretor-presidente da construtora, Benedicto Barbosa Silva Júnior, conhecido como BJ, na 23ª fase da Operação Lava Jato.

As planilhas são o mais completo acervo de repasses feitos pelo conglomerado do herdeiro Marcelo Odebrecht a políticos de 18 partidos. A cada nome, o documento da empreiteira atribui cifras. Ainda não se sabe se todos os valores atribuídos aos políticos foram de fato destinados a eles, nem se se trata de doação oficial ou caixa dois, mas é certo que os documentos são uma oportunidade inédita de desvendar os meandros do financiamento eleitoral no país.

O conjunto de listas com anotações sobre destinação de dinheiro a partidos e candidatos mostra a capilaridade da Odebrecht como financiadora de detentores de cargo eletivo. A Polícia Federal ainda não analisou os dados a ponto de concluir se se trata da contabilidade paralela da construtora, conforme revelado pela secretária da Odebrecht e delatora da Lava Jato, Maria Lúcia Tavares.

Entre muitos nomes, são citados nas planilhas: o ex-governador do Rio de Janeiro, Sergio Cabral (PMDB), os senadores José Serra (PSDB-SP), Lindbergh Farias (PT-RJ), Aécio Neves (PSDB-MG) e Humberto Costa (PT-PE), o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), o deputado Paulinho da Força (SD-SP) e a prefeita de Campos e ex-governadora do Rio, Rosinha Garotinho (PR).


Planilha da Odebrecht: mapa do financiamento eleitoral(VEJA.com/VEJA)

Planilha da Odebrecht: mapa do financiamento eleitoral(VEJA.com/VEJA)

fonte:veja.abril.com.br
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

"É hora de ir": 'Economist' pede renúncia de Dilma

Em editorial, revista britânica afirma que presidente do "país que sofre a pior recessão desde 1930" deveria deixar o cargo

Presidente Dilma Rousseff (Adriano Machado/Reuters)

A revista britânica The Economist defende, em editorial, a tese de que a presidente Dilma Rousseff "deveria renunciar agora". A escolha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a Casa Civil foi uma "tentativa grosseira de impedir o curso da Justiça", diz o texto publicado em sua nova edição semanal. Por isso, a presidente do "país que sofre a pior recessão desde 1930, boa parte em consequência dos erros de seu primeiro mandato", não está apta a permanecer na Presidência, argumenta o editorial. Segundo a publicação, a troca na Presidência da República abriria caminho para um "novo começo" no Brasil.

"A indicação de Lula parece uma tentativa grosseira de impedir o curso da Justiça. Mesmo que isso não fosse sua intenção, esse seria o efeito. Esse foi o momento em que a presidente escolheu os limitados interesses da sua tribo política por cima do Estado de Direito", diz o editorial, que tem o título "Hora de ir". "Assim, ela tornou-se inapta a permanecer como presidente". E continuia: "A presidente manchada deveria renunciar agora".

O editorial nota que sempre defendeu a ideia de que apenas a "Justiça ou os eleitores - e não políticos com interesses próprios - podem decidir o destino da presidente". Essa percepção, porém, mudou com a decisão tomada por Dilma de indicar Lula. No fim de semana, o jornal The New York Times já havia classificado como "ridículas" as explicações de Dilma para a nomeação do ex-presidente. A saída de Dilma Rousseff, diz o editorial da Economist, "ofereceria ao Brasil a oportunidade de um novo começo".

A revista considera que o processo de impeachment pelas pedaladas fiscais parece injustificado. Assim, afirma que há três caminhos para a saída da presidente: 1) mostrar que Dilma Rousseff obstruiu o trabalho de investigação na Petrobras; 2) por decisão do Tribunal Superior Eleitoral, que resultaria em novas eleições; ou 3) a renúncia. "A maneira mais rápida e melhor para a senhora Rousseff deixar o Planalto seria a renúncia antes de ser empurrada para fora", defende o editorial. Na semana passada, o britânico The Guardian declarou que a presidente deveria renunciar se não conseguir controlar a agitação social, enxergando até risco de intervenção militar.

Sem Dilma, a Economist acredita que o Brasil poderia ter um governo de coalizão liderado por Michel Temer para executar reformas necessárias para estabilizar a economia e acabar com o déficit público, próximo de 11% do Produto Interno Bruto. O editorial nota, porém, que Temer também está "profundamente envolvido no escândalo da Petrobras, como o PT". Assim, apenas "novas eleições presidenciais poderiam dar aos eleitores uma oportunidade de confiar as reformas a um novo líder".

(Com Estadão Conteúdo)
fonte:veja.abril.com.br
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Luis Suárez revela aposta com Neymar para clássico entre Brasil e Uruguai


Os amigos Neymar e Luis Suárez formam um trio espetacular com Lionel Messi no Barcelona, e além de se entenderem bem dentro de campo, se dão muito bem fora das quatro linhas. No entanto, toda a amizade vai ficar em segundo plano durante a partida entre Brasil e Uruguai, pelas Eliminatórias Sul-americanas para a Copa do Mundo de 2018, nesta sexta-feira, às 21h45 (de Brasília), na Arena Pernambuco.

E os parceiros terão mais do que os três pontos em jogo, já que eles fizeram uma aposta, como revelou Luis Suárez em entrevista coletiva.

O atacante uruguaio revelou que ele e Neymar apostaram um hambúrguer, que será pago pelo perdedor ao vencedor em Barcelona, na volta dos dois ao clube após a data Fifa.

fonte:esportes.yahoo.com
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Governo avisa que deve terminar o ano com rombo de quase R$ 100 bi


O novo déficit é R$ 36,45 bilhões maior que o anunciado em fevereiro, quando o governo tinha dito que pediria autorização para encerrar o ano com um rombo nas contas de R$ 60,2 bilhões

Um dia depois de fazer um novo contingenciamento (bloqueio de verbas) de R$ 21,2 bilhões no Orçamento, a equipe econômica quer reduzir a meta fiscal (de arrecadação) para 2016. Até segunda-feira, o governo enviará ao Congresso projeto para alterar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e permitir que a União possa fechar o ano com um resultado negativo nas contas de até R$ 96,7 bilhões.

O novo déficit é R$ 36,45 bilhões maior que o anunciado em fevereiro, quando o governo tinha dito que pediria autorização para encerrar o ano com um rombo nas contas de R$ 60,2 bilhões. O déficit primário é o resultado negativo das contas antes do pagamento dos juros da dívida pública.

Ao explicar a medida, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, disse que a queda de arrecadação decorrente do desempenho da economia justificou a revisão da meta. “Para que o governo ajude a economia a se estabilizar e fazer com que o emprego e a renda se recuperem mais rapidamente, estamos propondo uma nova meta fiscal. Tomamos a decisão depois de verificar a evolução de despesas no primeiro trimestre e de promover conversas dentro do governo e com parlamentares”, explicou.

Para chegar à nova meta fiscal, o projeto propõe o abatimento de até R$ 120,7 bilhões da meta fiscal para este ano, segundo o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa. Desse total, R$ 82 bilhões corresponderiam a receitas que eram esperadas, mas não se confirmaram. Deste total, R$ 40,3 bilhões de receitas administradas (tributos cobrados pela Receita Federal) e outros R$ 41,7 bilhões de receitas não administradas (a partir de vendas de bens, lucros de empresas estatais e receitas de concessões públicas).

Os R$ 38,7 bilhões restantes corresponderão à autorização para o governo gastar R$ 3 bilhões em ações de prevenção à dengue, à febre chikungunya e ao vírus zika e R$ 9 bilhões em obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que estão paralisadas. O governo pedirá ainda a dedução de até R$ 3,5 bilhões de gastos com defesa e de até R$ 1,95 bilhão da regularização do Fundo de Apoio à Exportação.

fonte:correio24horas.com.br
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Dilma elogia decisão de Teori, critica vazamentos e diz que quer PMDB no governo

A presidente Dilma Rousseff destacou, nesta quarta-feira (23), que a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki "estabelece o primado na lei nas relações dos órgãos que investigam". Para Dilma, a divulgação dos áudios entre o ex-presidente Lula e pessoas como foro privilegiado "foi um absurdo."

Na noite de terça-feira (22), Teori determinou que o juiz federal Sérgio Moro enviasse ao STF as investigações envolvendo Lula. Na decisão, o ministro também colocou em sigilo as conversas telefônicas grampeadas que envolvam Dilma. Com base em jurisprudência da Corte, o ministro destacou que cabe apenas ao STF decidir sobre a necessidade de desmembramento de investigações que envolvam autoridades com prerrogativa de foro. A decisão liminar também suspende a decisão da 13ª Vara Federal que autorizou a divulgação das conversações telefônicas interceptadas entre a presidente e Lula.

Dilma durante visita a uma instalação militar em Brasília

“A decisão do ministro Teori é importante porque estabelece o primado na lei nas relações dos órgãos que investigam com o presidente Lula. Acho que foi um absurdo [a divulgação de áudios] no sentido de que feriu a base do estado democrático de direito e as garantias e direitos constitucionais da Presidência da República vazar diálogo [de Lula] com a presidenta”, afirmou Dilma durante visita uma instalação militar em Brasília.

A presidente destacou ainda a importância de os processos investigativos e judiciais serem feitos dentro da lei. "A base do estado democrático é o cumprimento por todos da legislação”. Dilma também reforçou que “vazar diálogos pessoais que não fazem parte da investigação é uma violência e um padrão que não se deve aceitar ou compactuar”, pois atinge “a todos”.

“Nenhuma democracia moderna – não estou discutindo países de exceção – compactua com esse tipo de prática. Acho que a sociedade brasileira conquistou a duras penas o processo que nos levou à construção do que temos hoje: um país com liberdade de expressão, de manifestação e instituições sólidas. Respeitá-las e preservá-las é o nosso objetivo”, completou.

"Queremos muito que o PMDB permaneça no governo"
Dilma afirmou que tem todo o interesse que o PMDB permaneça na base aliada do governo. Na convenção do PMDB, no último dia 12, o partido decidiu que, em até 30 dias, o Diretório Nacional iria anunciar se mantém apoio ao governo.

“Nós todos estamos bastante interessados na questão relativa à permanência do PMDB no governo. Tenho muito certeza de que nossos ministros estão comprometidos com sua permanência no governo”, disse Dilma. “Nós queremos muito que o PMDB permaneça. Então, a gente vai ver quais são as decisões do PMDB e respeitaremos as referidas decisões”, completou.

No início da tarde de ontem (22), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reuniu com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), com o ex-senador José Sarney (PMDB-AP) e lideranças do partido.

Já o vice-presidente da República e presidente do PMDB, Michel Temer, esteve com o senador Aécio Neves, presidente nacional do PSDB, para uma conversa na qual foram avaliados os cenários em relação à crise política e à economia.

Votos a favor do governo no processo de impeachment
A mandatária destacou ainda, de acordo com informações da Folha de S. Paulo e do O Globo, sua convicção de que o governo conseguirá os votos necessários para derrubar o processo de impeachment na Câmara. Dilma precisa de pelo menos 172 votos. "A gente tem que esperar o processo acontecer. Eu tenho convicção de que teremos votos necessários".

fonte:jb.com.br
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Bebê de 7 meses morre acidentalmente ao ser ninado pelo pai; entenda

Pai e a mãe da menina socorreram a criança para o hospital, mas ela foi declarada morta

Um bebê de sete meses morreu enquanto era ninado pelo pai em uma cadeira de balanço. O caso aconteceu em Taiwan. O homem, que é pai de trigêmeos, segurava a menina no colo e cantava canções para dormir quando percebeu que a filha começou a espumar pela boca.

O pai e a mãe da menina levaram a criança para o hospital, mas ela foi declarada morta. Segundo o jornal chinês People's Daily, o bebê não tinha ferimentos aparentes, e os médicos do hospital chegaram à conclusão de que ela foi vítima da síndrome do bebê sacudido - quando uma criança sofre lesões cerebrais porque é balançada com força por quem está cuidando dela.

"Adultos frequentemente se sentem cansados depois de um dia difícil no trabalho. Então, não é irracional que eles queiram que um bebê durma. Pais sem conhecimento médico podem facilmente machucar um bebê ao sacudi-lo fortemente, e o resultado é uma hemorragia cerebral", analisou o médico Tong Meiling, que trabalha no hospital da criança de Nanjing, em entrevista ao jornal chinês.

fonte:correio24horas.com.br
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

quarta-feira, 23 de março de 2016

STF abre mais dois inquéritos para investigar Renan chegam a nove

PGR quer apurar propina na Transpetro e terceirizada da Petrobras.
Senador e deputado do PMDB negaram acusações em declarações.

Facebook
O Supremo Tribunal Federal (STF) abriu nesta terça-feira (22) mais dois inquéritos sobre o presidente do Senado, Renan Calheiros dentro da Operação Lava Jato. Com isso, o senador passa a ser alvo de nove investigações na Corte sobre o esquema de corrupção na Petrobras.

Os dois novos inquéritos surgiram da divisão de uma outra investigação supervisionada pelo ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no STF.

O inquérito original apura suposta atuação indevida de Renan Calheiros para manter Paulo Roberto Costa como diretor da Petrobras. Responsável até 2012 pela área de Abastecimento, ele admitiu em delação premiada que desviava recursos de contratos para políticos.

As duas novas investigações são sobre o suposto recebimento de propina de contratos da Transpetro e sobre suposto conluio entre Renan Calheiros e o deputado Aníbal Gomes (PMDB-CE) para contratação de empresa terceirizada pela Petrobras.

Em diversas declarações, o senador e o deputado negaram as acusações.

Nesta segunda, Zavascki autorizou investigação sobre delação premiada de Carlos Alexandre de Souza Rocha, conhecido como Ceará, entregador de dinheiro do doleiro Alberto Youssef, que operava as propinas.

Ceará afirmou aos investigadores que levou R$ 1 milhão a mando de Youssef para Renan Calheiros em Alagoas e que o dinheiro seria parte de uma dívida da construtora Camargo Correa com o doleiro.

Youssef negou que o dinheiro fosse para o senador e disse que era uma verba para a construtora OAS. Diante do impasse, a Procuradoria Geral da República, que investiga o caso junto com a Polícia Federal, quer ouvir o próprio senador e representantes das empresas.

fonte:g1.globo.com
Mariana OliveiraDa TV Globo, em Brasília
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

PF indicia marqueteiro do PT e outras 6 pessoas em inquérito da Lava jato

Grupo é investigado em um inquérito da 23ª fase, batizada de Acarajé.
MPF deve analisar o documento e decide se oferece ou não denúncia.

Facebook
João Santana e sua mulher e sócia, Mônica Moura, estão presos em Curitiba (Foto: Cassiano Rosário/Futura Press/Estadão Conteúdo)

A Polícia Federal (PF) apresentou o indiciamento preliminar do marqueteiro do Partido dos Trabalhadores (PT) João Santana, da mulher dele Monica Moura e de outros seis investigados no inquérito da 23ª fase da Operação Lava Jato – batizada de Acarajé. O documento foi protocolado no sistema da Justiça nesta terça-feira (22).

Para a PF, há indícios de que Santana e Monica tenham cometido crimes de lavagem de dinheiro, corrupção passiva e organização criminosa através de depósitos no exterior não declarados. O casal está preso desde 23 de fevereiro na Superintendência da PF, em Curitiba.

Agora, o Ministério Público Federal (MPF) vai analisar o indiciamento da PF para oferecer ou não uma denúncia envolvendo as empreiteiras à Justiça Federal. Se houver denúncia, e o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos aceitá-la, os denunciados passarão a ser réus.

Foram indiciados:
- João Cerqueira de Santana Filho
- Monica Regina Cunha Moura
- Zwi Skornick
- Bruno Skornick
- Eloisa Skornick
- Pedro José Barusco Filho
- Renato Duque de Souza
- Armando Ramos Tripodi

fonte:g1.globo.com
Adriana Justi e Aline Pavaneli do G1 PR e da RPC
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Corinthians promete punir envolvidos em escândalo da Arena

A revelação do procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, do Ministério Público Federal, de que houve pagamentos de propina da construtora Odebrecht na construção da Arena Corinthians e também a condução coercitiva do vice-presidente do clube, André Luiz Oliveira, levaram o Corinthians a publicar um comunicado oficial a respeito das denúncias de corrupção. Em nota, o clube prometeu auxiliar na investigação e punir as pessoas que, comprovadamente, causaram prejuízos à imagem do Timão e também da Arena de Itaquera.

"O Sport Club Corinthians Paulista atesta por meio desta que quaisquer irregularidades ou desvios de conduta, constatados por autoridades ou não, serão devidamente apurados, e a instituição tomará todas as providências a si cabíveis para punir os responsáveis, bem como diligenciar para que todos os prejuízos causados ao Clube e à Arena Corinthians sejam ressarcidos", é um dos tópicos da nota de sete parágrafos disponível no site oficial do clube.

A operação Lava Jato aponta que houve pagamentos de propinas da construtora Odebrecht na construção da Arena Corinthians, inaugurada em 2014. De acordo com o Ministério Público Federal, um diretor da Odebrecht aparece em planilhas da empresa responsável pelas obras da Arena Corinthians como autor de solicitações de pagamento de R$ 500 mil para uma pessoa identificada como "Timão".

Segundo o procurador do Ministério Público Federal, alguns dos codinomes contidos nas planilhas já foram decifrados. Lima, porém, não revelou se o "Timão" já é conhecido após a análise de dados e afirmou que "na medida do possível, o juiz Sergio Moro baixará o sigilo e os fatos ficarão mais claros".

André Luiz Oliveira, o André Negão, vice-presidente do Corinthians desde o início do ano passado, foi conduzido coercitivamente à sede paulistana da Polícia Federal para prestar esclarecimentos sobre a investigação da Lava Jato. O dirigente acabou detido em flagrante por porte ilegal de armas.

Sem citar nomes, o Corinthians se posicionou em outros pontos a partir de seu comunicado oficial. O clube não considera a obra da Arena encerrada e disse que já enviou nota à Odebrecht questionando diferenças da obra entre o que foi contratado pelo Corinthians e executado pela construtora. Por fim, os valores correspondentes ao contrato de construção do estádio também estão em fase de verificação.

Fonte: Terra
fonte:cidadeverde.com
imagem: espn.uol.com.br
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Lava Jato leva vice-presidente do Corinthians para depor à polícia federal

André Luiz Oliveira, conhecido como André Negão, foi levado para depor à Polícia Federal na 26ª fase da Operação Lava Jato. Vice-presidente do Corinthians e braço direito de Andrés Sanchez, ex-presidente do clube, André teria recebido R$ 500 mil de empresas ligadas à Odebrecht para a construção da Arena Corinthians.

O dirigente do Corinthians teve condução coercitiva autorizada pelo juiz Sérgio Moro.

Policiais federais estiveram na residência do vice-presidente corintiano, no Tatuapé. André Oliveira foi conduzido à Polícia Federal na terça-feira de manhã para depor de forma coercitiva sobre os pagamentos coordenados pela Odebrecht.

Reprodução
Trecho de documento que aponta pagamento de propina a uma pessoa de codinome 'Timão'. Investigadores informam que essa pessoa seria André Luiz de Oliveira, vice-presidente do Corinthians

A investigação identificou pagamento de propinas de uma diretoria (da Odebrecht) para pessoas ligadas ao estádio corintiano. As propinas também foram dadas a pessoas ligadas ao poder público.

No processo apresentado pela Lava Jato, o diretor de contrato da Odebrecht e responsável pela obra da Arena do Corinthians, Antônio Gavioli, figura como o responsável por solicitar os pagamentos em espécie de R$ 500 mil. A propina foi entregue para uma pessoa identificada pelo codinome "Timão", que seria o vice-presidente do Corinthians.

"Em relação aos estádios da Copa, temos indicativos de outras fases, inclusive de delações que estão em andamento, a produção dos procedimentos. Nesta fase, foram identificados pagamentos a uma diretoria [da Odebrecht] que cuida especificamente da Arena Corinthians", afirmou o procurador do Ministério Público, Carlos Fernando Santos de Lima. "Mas não temos clareza de toda a movimentação."

Foi solicitada a prisão temporária de Antônio Gavioli.

A ida de André Negão à polícia faz parte de uma investigação sobre propinas da construtora Odebrecht dentro do Brasil. O processo envolve várias obras, como a construção da Arena Corinthians, estádio que sediou a abertura da Copa do Mundo de 2014.

O material apreendido na 23ª fase da Operação Lava Jato incluiu planilhas de pagamento de propina da Odebrecht. Essa etapa da investigação culminou com a prisão de João Santana, marqueteiro do PT, que recebeu pelo menos US$ 3 milhões da construtora em uma conta na Suíça.

Carlos Fernando Santos de Lima, procurador do Ministério Público Federal, disse que a Arena Corinthians está entre as obras feitas pela Odebrecht que teriam sido feitas mediante um esquema de propinas.

Sediada em Itaquera, zona leste de São Paulo, a Arena Corinthians foi construída para a Copa do Mundo de 2014 e custou cerca de R$ 1,2 bilhão. O rastro sobre propina envolvendo a obra do estádio ainda está em estágio inicial, assim como a lista dos destinatários de pagamentos.

Procurado pelo UOL Esporte, o dirigente do Corinthians não atendeu as ligações até o fechamento deste texto. O departamento jurídico alvinegro disse que desconhece qualquer ação da Polícia Federal em relação ao clube.

Planos para a presidência do Corinthians

Além de vice-presidente do clube, André Oliveira é chefe de gabinete do deputado federal Andrés Sanchez, ex-presidente do Corinthians.

Vice-presidente do Corinthians, André Oliveira é um dos principais nomes a suceder Roberto de Andrade na presidência do clube, em 2018.

Em entrevista ao blogueiro do UOL Ricardo Perrone, em 2014, André revelou que já foi bicheiro e disse que poderia ser o primeiro presidente negro de um clube no país.

"Verdade [sonho de ser presidente do Corinthians]. Do Corinthians só não, talvez do futebol mundial, tirando os países africanos. Já sou o primeiro vice-presidente negro da história de um time grande no Brasil. Parece que no Bahia teve um presidente negro, mas no eixo Rio-São Paulo nunca teve nem vice. Meus netos, brancos, poderão ter orgulho disso".

fonte:esporte.uol.com.br
imagem:esportes.opovo.com.br
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Ministro do STF tira de Moro as investigações contra Lula


Zavascki determina que caso seja enviado ao STF. Ele acolheu recurso do governo, acusando irregularidade na divulgação de conversas entre Lula e Dilma e fixou prazo para Moro explicar motivo de publicação de escutas.

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta terça-feira (22/03) que o juiz Sérgio Moro envie ao STF todas as investigações envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Com a decisão, as investigações sobre Lula deixam de ser da alçada de Moro, responsável pelas investigações da Lava Jato na primeira instância. A determinação atende pedido da Advocacia-geral da União (AGU), que representa o governo.

Zavascki, relator da Operação Lava Jato no STF, aceitou também um pedido apresentado pela AGU, acusando irregularidade na divulgação de escutas telefônicas de conversas entre Lula e a presidente Dilma Rousseff e fixou um prazo de dez dias para que Moro apresente ao tribunal um relatório e explique por que motivo autorizou a divulgação das escutas telefônicas.

Na sua decisão, o magistrado indicou que a lei proíbe "expressamente a divulgação de qualquer conversa interceptada" e determina a "inutilização das gravações que não interessem à investigação criminal".

"Não há como conceber, portanto, a divulgação pública das conversações do modo como se operou, especialmente daquelas que sequer têm relação com o objeto da investigação criminal", acrescentou Zavascki.

A decisão de Zavascki não afeta a determinação do seu colega do Supremo Tribunal Gilmar Mendes, que na sexta-feira suspendeu a nomeação do ex-presidente como ministro. O ex-presidente deve agora esperar pela decisão do plenário deste tribunal, que voltará a se reunir em 30 de março, após a Páscoa.

Lula tomou posse como ministro de Dilma Rousseff há uma semana, mas a sua nomeação está suspensa, devido a vários recursos em tribunais.
MD/lusa/ebc

fonte:noticias.terra.com.br
imagem:veja.abril.com.br
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Cadáver de Sereia encontrada na praia da Flórida



fonte:Youtube.com
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Vidro luminescente permite temperar a luz branca dos LEDs

Composto por íons de terras-raras e nanopartículas de ouro e prata, o material poderá ser conjugado com semicondutores também em outras aplicações, como a otimização de células fotovoltaicas e a produção de biossensores (Imagem: Representação gráfica do campo produzido por uma nanopartícula de ouro/ Acervo de Euclydes Marega Junior )

Pesquisadores do Centro de Pesquisas em Óptica e Fotônica (Cepof), um dos 17 Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) apoiados pela FAPESP, produziram um vidro luminescente que, entre outras aplicações, pode ser utilizado para temperar a luz branca e fria dos LEDs (light-emitting diodes – diodos emissores de luz), tornando-a menos desconfortável e cansativa.

O trabalho foi realizado em colaboração com o Center for Optics, Photonics and Laser, da Université Laval, de Quebec, Canadá. E artigo relatando o resultado foi publicado no jornal Scientific Reports, do grupo Nature: “Plasmon-photon conversion to near-infrared emission from Yb3+: (Au/Ag-nanoparticles) in tungsten-tellurite glasses”.

“A espécie humana evoluiu sob a luz do sol, que é levemente amarelada. A luz excessivamente branca dos LEDs, cada vez mais empregada na iluminação artificial e em dispositivos eletrônicos, exerce sobre nós um efeito desgastante. Uma das aplicações tecnológicas possíveis do vidro luminescente que produzimos é acrescentar um pouco mais de cor vermelha a essa luz, tornando-a menos branca”, disse Euclydes Marega Junior, professor do Instituto de Física de São Carlos da Universidade de São Paulo (IFSC-USP), coordenador de Educação e Difusão do Conhecimento do Cepof e um dos coordenadores da pesquisa, à Agência FAPESP.

O vidro luminescente é composto por óxido de telúrio com a adição de tungstênio, íons de terras-raras (túlio e itérbio) e nanopartículas de ouro e prata. Sua luminescência se deve à presença dos íons de terras-raras. Já as nanopartículas de ouro e prata atuam como minúsculas antenas, possibilitando ao material captar mais luz e assim produzir maior luminescência.

A função tanto das terras-raras quanto das nanopartículas fica mais clara quando se considera a física básica do processo de luminescência. Trata-se de uma propriedade inerente a alguns tipos de materiais. Genericamente, ocorre quando, ao receberem um aporte de energia do meio externo, os elétrons que compõem os átomos do material realizam dois saltos quânticos. Primeiro, de suas órbitas originais para outras órbitas possíveis mais afastadas do núcleo atômico – portanto de maior potencial energético. Depois, de volta às órbitas primitivas, devolvendo o excedente de energia ao meio na forma de fótons, ou partículas de luz. A luminescência resulta exatamente dessa energia devolvida.

“Exemplo de material luminescente é o Ce:YAG (material à base de ítrio e alumínio dopado com cério), que constitui o verdadeiro responsável pela cor branca da luz dos LEDs disponíveis no mercado. De fato, a luz emitida pelo LED não é branca, mas violeta, já na fronteira com o ultravioleta. O Ce:YAG utilizado no encapsulamento do LED absorve essa luz violeta de alta frequência e reemite uma mistura de luzes de frequências mais baixas: predominantemente a verde e a laranja e, em menor quantidade, a vermelha. A cor branca e fria característica desse tipo de iluminação é resultado de tal mistura. Na verdade, o uso tecnológico da terra-rara cério já é bastante antigo, porque com ele se fabricavam as ‘camisinhas’ dos velhos lampiões de querosene”, informou Marega.

O túlio e o itérbio – as terras-raras empregadas na produção do novo vidro luminescente – pertencem à família química do cério, ocupando a mesma fila na Tabela Periódica. A diferença, no caso, é que, ao absorverem luz, reemitem em frequências ainda mais baixas, já na faixa superior do infravermelho. Ao acrescentar essas frequências mais baixas à mistura de cores, o vidro pode imprimir um tom ligeiramente amarelado à luz do LED, aproximando-a do padrão da luz solar.

Isso, por si só, já é um grande trunfo tecnológico. Mas o vidro luminescente oferece ainda outras possibilidades de uso.

“Uma delas decorre do fato de que é mais fácil alojar luzes de frequências menores no interior de uma fibra óptica. As luzes de alta frequência – portanto, de menor comprimento de onda – tendem a escapar das fibras ópticas nas curvas, saindo, como se diz, pela tangente. Já as luzes de frequências mais baixas – portanto, de maiores comprimentos de onda – podem fazer a curva sem escapar”, afirmou Marega.

O pesquisador enfatizou que, tanto em um caso como no outro, é fundamental conjugar o vidro com uma fonte luminosa. “Os íons terras-raras são ótimos para reemitir a luz. Mas é muito difícil produzir luz diretamente com eles, submetendo-os à corrente elétrica. Temos que combinar, então, dois tipos de materiais: as terras-raras, devido à sua grande versatilidade em relação às cores, e os semicondutores, devido à sua facilidade para produzir luz”, disse.

Semicondutores são materiais cuja condutividade elétrica pode ser controlada por meio de impurezas. Assim, são capazes de atuar seja como condutores, seja como isolantes. Toda eletrônica digital da atualidade é baseada em semicondutores de silício. Com eles são feitos os transistores empregados em um sem-número de equipamentos eletrônicos. “Mas o silício não se presta à produção de luz visível. Por isso, na fabricação de LEDs, telas e demais dispositivos luminosos são utilizados outros materiais semicondutores, como o arseneto de gálio e o fosfeto de índio”, informou Marega.

Outra importante possibilidade tecnológica resultante da conjugação de semicondutores e terras-raras é fazer o caminho inverso. Isto é, gerar corrente elétrica a partir da luz. Tal processo, já realizado pelas fotocélulas ou células fotovoltaicas, seria otimizado com a incorporação de terras-raras.

“Em associação com os semicondutores, as terras-raras poderiam aumentar a eficiência dessas células, pois são capazes de intensificar a absorção de luz. Em um país com forte insolação como o Brasil, dispositivos desse tipo conseguiriam alimentar vários equipamentos residenciais, comerciais ou industriais, aliviando a demanda sobre a rede elétrica. Os equipamentos eletrônicos não precisam de tensões de 220 volts ou mesmo de 110 volts para funcionar. Funcionariam perfeitamente com tensões muito menores fornecidas por células fotovoltaicas”, comentou o pesquisador.

Desdobramento tecnológico ainda mais revolucionário seria conjugar semicondutores, terras-raras e nanopartículas metálicas na confecção de circuitos híbridos, parte eletrônicos e parte fotônicos. “Poderíamos, por exemplo, aplicar um filme ultrafino de terras-raras e nanopartículas sobre uma superfície semicondutora. Tal filme funcionaria como uma diminuta guia de onda, capaz de orientar o fluxo de plásmons [ondas de elétrons livres induzidas pela luz] na superfície semicondutora”, conjecturou Marega.

Um dispositivo como esse poderia ser utilizado em sensores biológicos ultrassensíveis. “Como a luz ficaria confinada em uma região diminuta, entre o filme e a superfície, ela permitiria identificar quantidades mínimas de moléculas orgânicas de interesse, como proteínas. Eventualmente, seria capaz de identificar uma única molécula, possibilitando, por exemplo, a detecção de tumores em uma fase muito inicial”, prosseguiu o pesquisador, ressaltando, porém, que pesquisas nesse sentido ainda se encontram em fase embrionária.

O autor principal do artigo publicado no jornal Scientific Reports, Victor Anthony Garcia Rivera, foi supervisionado por Marega, com bolsa de pós-doutorado e bolsa de pesquisa no exterior fornecidas pela FAPESP. O coordenador da pesquisa no Canadá, Younes Messaddeq, é também professor da Universidade Estadual Paulista no campus de Araraquara e já participou da coordenação da Área de Química de FAPESP.

fonte:agencia.fapesp.br
José Tadeu Arantes | Agência FAPESP
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

terça-feira, 22 de março de 2016

Morre jovem atingida por bala perdida na Penha, no Subúrbio do Rio

Sofia, de 23 anos, foi ferida na barriga quando saía de casa.
Foram duas trocas de tiros e suspeitos atacaram UPP do Parque Proletário.


Uma jovem de 23 anos morreu, depois de ter sido atingida por uma bala perdida numa favela com Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). Ela era moradora do Conjunto de Favelas da Penha, no Subúrbio do Rio, e chegou a ser levada para um hospital. Uma foto mostra Sofia Uberlina Napoleão sendo socorrida depois de ser atingida por uma bala perdida.

Ela foi levada em estado grave para o Hospital Getúlio Vargas, na Penha, no Subúrbio. Moradores contaram que Sofia foi ferida quando saía de casa, no alto da comunidade. A bala acertou a barriga da jovem.

Foram pelo menos duas trocas de tiros entre traficantes e policias da UPP do Parque Proletário, no conjunto de favelas. Em uma delas, os criminosos atacaram, inclusive, a base da Unidade de Polícia Pacificadora.

A providência já preliminar foi a apreensão de todas as armas usadas por estes policiais. São oito policiais que nós já identificamos, todos serão ouvidos. Também ouviremos algumas testemunhas, já tem uma pessoa que já foi ao hospital”, disse o delegado Eduardo Aragão.

Outras duas favelas com UPP também sofreram com tiroteios no fim de semana. No Morro da Babilônia, no Leme, na Zona Sul, um pedreiro foi atingido de raspão por uma bala perdida, enquanto tomava banho.

Na favela vizinha, Chapéu Mangueira, duas pessoas foram assassinadas no sábado (19) à noite. As mortes de Paulo Santos de Oliveira, de 21anos, e Thiago Vinícius da Silva, de 22, são investigadas pela Polícia Civil.

fonte:g1.globo.com
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Menina bate na própria mãe antes de fugir com namorado violento em SP

Arielly dos Santos Novaes desapareceu no último sábado em Itanhaém.
Polícia ajuda nas buscas. Garota de 14 anos era espancada pelo rapaz.

Família procura menina que desapareceu em Itanhaém, no litoral de São Paulo (Foto: Reprodução / Facebook)

Uma garota de 14 anos desapareceu em Itanhaém, no litoral de São Paulo, após ter agredido a mãe durante uma discussão causada pelo envolvimento dela com um rapaz. Arielly Novaes desapareceu no último sábado (19) e os familiares estão organizando buscas para tentar encontrar pistas que levem ao paradeiro da garota.

A garota sumiu depois de uma discussão com a mãe, Francinalva Novaes do Santos. Ela afirma que a filha chegou a agredi-la. “A discussão aconteceu por causa do namoro. Ela me bateu. Tentei falar com o pai dela, mas não tive sucesso. Decidi, então, levá-la para a casa da avó. Depois, não tive mais notícias”, disse.

Os problemas entre mãe e filha, de acordo com Francinalva, começaram depois que a garota passou a namorar um rapaz também de Itanhaém. “Eles estavam namorando escondido. Tentei trazê-lo para perto da nossa família, mas ele passou a ser agressivo, bateu nela algumas vezes”, falou.

Ao perceber a agressividade do garoto, a mãe da jovem ameaçou proibi-la de encontrar o rapaz. A menina, então, fugiu pela primeira vez com o namorado. “Eles foram para uma casa bem escondida no Jardim Oásis. A residência tinha mais quatro homens. Assim que eu cheguei ao local, eles fugiram, mas consegui encontrá-la e a trouxe para casa”, relatou.

Francinalva afirma que, após “resgatar” a filha, o garoto voltou a fazer ameaças, inclusive, pelo celular da mãe de Arielly. “Ele rondava o meu condomínio e fez muitas ameaças. Tenho certeza que minha filha mudou por causa deste namorado”, concluiu.

A família da garota busca informações sobre o paradeiro da jovem e, inclusive, foi ao Conselho Tutelar em Itanhaém para relatar o desaparecimento da garota. Um boletim de ocorrência também foi registrado e a polícia também tenta descobrir o paradeiro de Arielly mas, até o momento, sem sucesso. O namorado também não foi localizado.

fonte:g1.globo.com
João Paulo de Castro do G1 Santos
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Ministro do STF nega pedido do governo sobre posse de Lula

Governo queria anular decisão de Gilmar Mendes que suspende a posse.
Ministro Luiz Fux entendeu que não era possível reverter a decisão.


O ministro Luiz Fux , do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou na madrugada desta terça-feira (22) pedido do governo federal para anular a decisão do ministro Gilmar Mendes, que barrou a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para chefiar a Casa Civil. Segundo Fux, a Suprema Corte tem entendimento consolidado de que o instrumento jurídico usado, um mandado de segurança, não pode ser usado como recurso para tentar reverter uma decisão do próprio Supremo.

Fux decidiu em ação apresentada na noite de segunda pelo advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, que apontou que Mendes era suspeito para analisar o caso e que a nomeação de qualquer pessoa é um ato privativo da presidente DIlma Rousseff, ainda mais em tempos de crise política.

Na avaliação do ministro Luiz Fux, a decisão de Mendes, que, além de suspender a nomeação, determinou que o juiz Sérgio Moro continue investigando Lula, foi "expressivamente fundamentada" e não aponta "flagrante ilegalidade". Gilmar Mendes entendeu que a nomeação foi usada para manipular o foro privilegiado e que houve fraude à Constituição.

Como o ministro Luiz Fux entendeu que o mandado de segurança do governo não podia ser usado no caso, extinguiu a ação sem nem analisar o teor do pedido.

Ainda há outros pedidos sobre Lula que podem ser decididos individualmente pelos ministros Teori Zavascki e Rosa Weber - o plenário do STF só volta a se reunir depois de 30 de março.

O ministro apontou ainda que a nomeação de Lula e o envio do processo para a primeira instância devem ser discutidos dentro da própria ação de Gilmar Mendes, quando o ministro levar o tema ao plenário da Corte.

"Deveras, a decisão liminar que se pretende cassar através do presente mandamus restou expressivamente fundamentada em dezenas de laudas, o que revela ausência de flagrante ilegalidade, por isso que a sua reversão deve merecer o crivo do colegiado nos próprios autos em que foi proferida. Ex positis, diante do manifesto descabimento da ação proposta, julgo extinto o processo sem resolução do mérito", decidiu Luiz Fux.


Para Fux, o Supremo tem entendimento consolidado "há muito" de que não cabe mandado de segurança contra decisão do STF. "O Supremo Tribunal Federal, de há muito, assentou ser inadmissível a impetração de mandado de segurança contra atos decisórios de índole jurisdicional, sejam eles proferidos por seus Ministros, monocraticamente, ou por seus órgãos colegiados."

O ministro apontou ainda que o pedido do governo apresentou "nítido caráter" de recurso. "Da leitura do decisum hostilizado, em confronto com o mandado de segurança sub examine forçoso concluir que a utilização do writ ostenta nítido caráter de sucedâneo recursal. Sob esse enfoque, o Supremo Tribunal Federal tem o posicionamento inequívoco, nos termos dos seguintes julgados desta Corte."

Pedido do governo
A ação foi apresentada na noite de segunda pelo advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo. Esse pedido já havia sido feito pelo governo dentro de uma ação da oposição, e AGU entrou de novo com uma ação própria.

Os principais argumentos são que o ministro Gilmar Mendes é suspeito para analisar o caso porque, entre outras questões, deu declarações prévias sobre a situação de Lula. Ainda segundo o governo, a nomeação de qualquer pessoa é um ato privativo da presidente DIlma Rousseff, ainda mais em tempos de crise política. Para a AGU, barrar a nomeação de Lula porque ele é investigado seria ferir o princípio da presunção de inocência.

"De início, é de se consignar que o ato impugnado decorre do pleno exercício de prerrogativa própria do Chefe do Poder Executivo de nomeação de Ministros de Estado (appointment powers), nos moldes autorizados pelo art. 84, inciso I, da Constituição da República. Isto é, na escolha de quadros para formação, composição e recomposição de sua equipe de governo. Notadamente, em período de notória crise política e turbulência institucional, não se pode manietar a Presidenta da República no seu típico espaço de discricionariedade na direção política", diz a ação.

Segundo José Eduardo Cardozo, como um eventual recurso contra a decisão de Gilmar Mendes não teria efeito de suspender a decisão para que Lula assuma o cargo, seria necessária uma liminar.

fonte:g1.globo.com
Mariana Oliveira da TV Globo, em Brasília
imagem:jornalggn.com.br
Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.